museupeq.jpg

Localização

História
Acervo
Fotos
Downloads
Artigos
Equipe

Links

 

ufrgslogo1.bmp


 

 

resgate.jpg


otto3.jpgNikolaus August Otto (1832-1891) otto_escudo.bmp

 Engenheiro e inventor alemão nascido em Holzhausen an der Haide, perto de Schlangenbad, que inventou e construiu o primeiro motor de combustão interna de quatro tempos e determinou o ciclo teórico sob o qual trabalha o motor de explosão (1876), o conhecido ciclo Otto. Aos 16 anos deixou a escola e foi trabalhar em um supermercado. Ele também trabalhou como um balconista em Frankfurt e como um vendedor ambulante. Ele vendeu açúcar, bateria de cozinha e chá a supermercados na fronteira alemã com a Bélgica e a França, e como vendedor ambulante interessou-se por mecânica e aprendeu o engenho da máquina inventada por Etienne Lenoir (1822-1900), a primeira máquina de combustão interna executável. Otto construiu o primeiro protótipo de seu motor em 1867, tendo ganho a medalha de ouro da Feira de Hannover naquele ano.tmi00339c.jpg

A mais combatida patente de todos os tempos, a DRP 532, foi anulada convenientemente em 1886 quando "descobriu-se" que um físico francês de nome Alphonse Beau de Rochas já havia publicado um trabalho em que também propunha um ciclo de quatro tempos, porém Otto nunca chegou a ter contato com esse material. A verdade é que muitas empresas compravam motores Otto e faziam o que hoje é conhecido como “engenharia reversa”, simplesmente lançavam cópias do consagrado motor com outro nome.

Otto começou sua fábrica em Köln (Colônia) na Alemanha, após estabeleceu outra fábrica na Filadélfia, EUA, sendo que os motores lá produzidos ficaram conhecidos como “Ottos columbianos” (fabricados entre 1893 e 1915). A empresa de Otto, a N.A. Otto & Cie., existe até hoje, chamando-se atualmente Deutz A.G.


4tempos.jpg

 

     O Ciclo Otto de Quatro Tempos:

 

 

1 – Admissão: com a válvula de admissão aberta e a de escape fechada, a mistura de vapor de gasolina e ar entra no cilindro.

2 – Compressão: com ambas as válvulas fechadas, a mistura é comprimida através do movimento de ascendente do pistão.

3 – Combustão: a mistura é detonada através da ação de uma centelha (faísca) produzida pela vela, produzindo uma expansão dos gases que então empurram o pistão para baixo, produzindo trabalho útil.

4 – Escape: com a válvula de admissão fechada e a de escape aberta, ocorre a exaustão dos gases resultantes da explosão.

 

 


História do Otto SN#14239

placaotto.jpg

Único exemplar do tipo ainda em funcionamento na América Latina, o motor Otto em acervo é uma peça rara que pertence a Escola de Engenharia da UFRGS desde a época de sua fundação. Era utilizado originalmente como gerador de energia para fins acadêmicos,  foi encontrado abandonado em 1991 nos porões da Escola e seu destino seria virar sucata, mas com a intervenção de um grupo de alunos que mais tarde viria a fundar o Museu do Motor, o motor Otto foi restaurado durante o período de um ano, no projeto que foi batizado de “Resgate de uma Era”.

otto1914.jpg

Anuário da Escola de Engenharia de 1914: o motor Otto funcionando.

 

otto01.jpg restaurado.jpg         

Restauração: antes e depois.


Ficha Técnica do Otto pertencente ao acervo do Museu do Motor:

Procedência Filadélfia, EUA
Fabricação 1894
Número de Série 14.239
Período de Fabricação 1893 a 1915
Tipo Horizontal de 4 tempos
Número de Cilindros 01
Número de Mancais 02
Diâmetro X Curso 1310mm X 2600mm
Deslocamento 3504,3cm3
Taxa de Compressão 4,5:1
Potência Máxima 5HP
Rotação Máxima 340 RPM
Peso 400 kg
Potência específica 1,43 HP/L
Relação Peso/Potência 90kg/HP
Combustível gasolina ou querosene
Aplicações Usos estacionários para tomada de força em geral, tais como em serrarias, geradores elétricos e bombas d’água.
Sistema de Alimentação Injeção direta de combustível, injetor montado em pré-câmara de combustão
Sistema de Refrigeração Refrigeração líquida, por termosifão (convecção líquida).
Sistema de Lubrificação Por gravidade, através de Pingadeiras na camisa do pistão e moentes do virabrequim.
Sistema de Distribuição Válvulas montadas transversalmente no cabeçote (fluxo cruzado ou “crossflow”), válvula de admissão acionada por depressão e de escape por came e balancim.
Sistema de Ignição Contactor, alimentado originalmente por dínamo; atualmente adaptado com uma bateria 12V convencional.

+ Fotos

(Clique para ampliá-las)

 

m1.JPG      m2.JPG     m4.JPG

m5.JPG        m6.JPG